Produção de Vídeos

Chroma-key: como usar o efeito em suas produções

Veja como funciona o efeito chroma-key, quais os prós e contras de usar em seus vídeos e o passo a passo para aproveitar essa técnica.

Escrito por Gabriele Gonçalo em 12 ago 2021 | Atualizado em 09 dez 2021

17 minutos de leitura

Foto: senivpetro - www.freepik.com

Compartilhar no FacebookCompartilhar no FacebookCompartilhar no Twitter

Você está planejando sua estratégia para criar vídeos online? Então é importante se atentar a todas as etapas do processo. Antes de captar as imagens, não se pode esquecer de um elemento essencial: o cenário. E nesse caso, o chroma-key pode ser um aliado das suas produções.

Por questões orçamentárias e práticas, nem sempre é fácil produzir ou encontrar o fundo ideal para a gravação. Nestes casos, um grande aliado dos produtores é o efeito chroma-key. A técnica permite a utilização de imagens artificiais como cenário e traz mais praticidade e versatilidade às produções audiovisuais. 

Neste artigo, explicaremos melhor o que é chroma-key, os prós e contras de sua utilização e também como aplicá-lo às suas produções. Confira a seguir:

O que é chroma-key?

Também conhecida como keying, o efeito chroma-key é uma técnica de edição na qual o cenário do vídeo é substituído por uma imagem. Como é necessário isolar os atores e objetos do resto, deve-se utilizar um fundo de cor sólida na gravação – verde, azul e vermelho são as opções mais usadas.

Desta forma, é possível remover este fundo e trocá-lo por outra imagem. Isso permite, por exemplo, filmar na floresta sem sair do estúdio – basta inserir a paisagem no processo de edição.

É difícil utilizá-lo? Não. Qualquer software de edição de vídeo profissional possui ferramentas para utilizar o chroma-key – entre eles Adobe Premiere Pro, Final Cut e Sony Vegas.

A história do Chroma-Key

Ao contrário do que se acredita, o chroma-key não é uma técnica recente: ele se desenvolveu na década de 1940. Apesar de ser uma tentativa mais rudimentar e menos tecnológica, tratava-se de uma tela azul inventada por Larry Butler e utilizada em “O Ladrão de Bagdá”, ganhando o Oscar de efeitos especiais na época.

Antes de Butler, algumas tentativas de sobrepor imagens já existiam. A tela azul usada por ele surgiu de uma técnica do “sólido móvel”, pensando nos filmes Technicolor da época. O desenvolvimento da conhecida tela azul pode ser percebido principalmente na virada da década de 1960, e posteriormente, a cor azul foi alterada para verde.

Que tipo de produção utiliza o chroma-key?

Como mencionado anteriormente, qualquer tipo de produção audiovisual pode utilizar técnicas de chroma-key. Mas quais os tipos em que ela é mais comum?

1. Cinema

Filmes e séries utilizam o chroma-key de forma recorrente. Seja por questões de orçamento ou praticidade, nem todas as filmagens podem ser feitas numa locação. Por exemplo, como seria se toda produção cinematográfica em Nova York precisasse fechar o centro da cidade para gravar? Seria um pesadelo logístico.

Além da questão de localidade, a ferramenta do chroma-key permite a interação com personagens gerados por computação gráfica e facilita o investimento em cenografia.

2. Jornalismo

Apesar do jornalismo não utilizar o chroma-key para a gravação de reportagens, ele é utilizado no estúdio entre uma notícia e outra. Além de alguns telejornais utilizarem fundos gerados pela ferramenta, o keying permite a exibição de mapas e gráficos para auxiliar os âncoras. Como exemplo mais comum, temos os quadros de previsão do tempo.

3. Cursos online e ensino à distância

Com o crescimento do ensino à distância e plataformas de cursos, mais produtores passaram a incorporar vídeos aos planos de aula. Desta forma, o professor pode gravar o conteúdo num estúdio e utilizar o chroma-key para tornar as aulas mais atrativas visualmente, com o uso de exemplos gráficos.

4. Produtores de conteúdo para Web

Atualmente a tecnologia permitiu ampliar as possibilidades de produção de vídeo para web. Com grande variedade de pixels, gravações em 4K, melhor ISO e um trabalho de pós-produção muito mais veloz, excelentes resultados podem ser obtidos com pouco investimento

Com a facilidade de edição, por exemplo, muitas configurações passaram a ser automáticas e o fluxo de trabalho foi aprimorado, otimizando o tempo e permitindo novas oportunidades na pós-produção.

Diante disso, o uso do chroma-key por produtores de conteúdo audiovisual se intensificou. Utilizar a chamada “tela-verde” permitiu a gravação, roteirização e edição mais autônoma, que antes não era possível. Uma técnica que já rendeu a um filme o Oscar de efeitos especiais, hoje está ao nosso alcance e garante a produção de cenários incríveis e a diversificação de conteúdos sem precisar sair de um estúdio.

Quais as vantagens do chroma-key?

Como mostramos acima, muitos tipos de conteúdos em vídeo utilizam o efeito chroma-key – afinal de contas, a técnica oferece muitas vantagens ao produtor. Confira as principais:

1. Reduz os custos da produção

Uma das principais vantagens de utilizar o chroma-key é a economia financeira. Ao optar por utilizar o fundo real, você terá gastos com locação, deslocamento de pessoas e equipamentos, além da montagem do cenário – isso sem contar o aluguel do espaço. Com a técnica, você poderá abater estes custos de sua produção.

2. Poupa tempo na produção de vídeos

Ganhar tempo na produção dos seus vídeos é outro benefício de utilizar o chroma-key. Além de não precisar levar em conta o tempo de deslocamento, você poderá gravar todas as cenas no mesmo dia.

Além disso, sua equipe estará menos sujeita a imprevistos no local de gravação – como condições climáticas adversas.

3. Mais versatilidade nas suas produções 

Durante a edição, a técnica chroma-key permite o uso de um fundo interativo que complementa as informações do vídeo. Isto permite maior versatilidade de conteúdo, o que  não seria possível num cenário tradicional. Como exemplo temos os quadros de previsão do tempo nos telejornais – que às vezes até reagem ao toque do apresentador, trazendo dinamismo e sofisticação à produção.

Existem contras no uso do chroma-key?

Apesar do uso do chroma-key oferecer muitos benefícios às produções, também existem algumas desvantagens de utilizar a técnica em vez de um cenário. São as seguintes:

1. Possível perda estética e de interação real

Você pode utilizar uma imagem de altíssima qualidade e até fazer parecer um cenário de verdade. No entanto, em alguns momentos ele não terá exatamente o aspecto de um fundo real. Assim, é importante roteirizar seu vídeo de maneira que seja possível contornar a falta de interação real.

2. Oferece menos opções de iluminação

Além do fundo com uma cor sólida, outro ponto central do chroma-key é a iluminação. Caso não seja utilizada corretamente, a substituição do fundo ficará claramente visível – isso quando não for inviabilizada. Desta forma, filmagens com iluminação externa ou fontes alternativas de luz estão fora de cogitação.

New call-to-action

Como usar o chroma-key nas suas produções?

Após conhecer as vantagens e desvantagens do chroma-key, chegou a hora de aprender a utilizá-lo. Independentemente se você pretende gravar o vídeo internamente ou terceirizar a produção, é importante saber como usá-lo porque isso influencia as escolhas de figurino e objetos cenográficos – afinal, você não quer ter uma surpresa desagradável na hora de filmar, né?

Planejamento

O primeiro passo antes de produzir um conteúdo com chroma-key é idealizar e planejar o seu desenvolvimento. Assim, determine qual imagem ou cenário será utilizado para substituir o fundo que você já tem. Além disso, tente pensar: existe alguma cor que predomine nos objetos e pessoas? Existe alguma cor predominante na imagem final que você irá inserir ao fundo colorido?

Esses detalhes são muito importantes quando pensamos em como funciona o chroma-key. Se vamos substituir a cor utilizada no fundo por um determinado cenário, não queremos que outros objetos que possuam a mesma cor do chroma-key desapareçam também, certo? Tudo isso nos leva ao próximo passo.

Escolher a cor do fundo que será substituído

A primeira decisão efetiva a se tomar é a cor que será utilizada no fundo. Somente o sistema de cores RGB está disponível – afinal, são as cores básicas que se misturam para formar outras colorações. Para escolher a mais adequada à sua produção, é importante ter em mente as questões do item anterior. Veja as características e recomendações de cada cor:

 Vermelho: trata-se da menos utilizada por se tratar de uma cor presente na pele e até cabelo de algumas pessoas. Assim, é melhor evitá-la caso sua produção envolva atores.

Verde: é a cor mais fácil de se trabalhar com chroma-key. Possui menor possibilidade de aparecer em roupas e objetos cenográficos, além de contrastar melhor com qualquer tom de pele. Não à toa, é a mais versátil e utilizada no mercado.

Azul: esta cor era mais utilizada antigamente porque as câmeras tinham dificuldade em captar tons esverdeados. Com a evolução nos equipamentos, fundos desta coloração se tornaram menos comuns. No entanto, ainda são utilizados em estúdios menores devido a um fenômeno chamado spill – a luz reflete no objeto e gera uma contra-luz. Como é menos visível na cor azul e comum em locais com menos espaço, esta coloração ainda é utilizada.

Para driblar essa situação é importante que o spill seja uma cor próxima à imagem final. Assim, se você quer inserir uma imagem de um lago azulado no chroma-key na edição final, por exemplo, o fundo azul é o mais indicado. Usar a lógica de aproximação de cores entre o que você quer na versão final e o seu fundo, pode te auxiliar muito nesse processo. Por isso, é muito importante não pular a etapa de planejamento.

Após escolher a coloração do fundo, você precisa pensar na sua superfície. Caso queira versatilidade, é possível utilizar um tecido com a cor desejada. Mas cuidado com o armazenamento, pois qualquer amassado influenciará a qualidade do fundo.

Desta forma, é mais recomendável utilizar um painel ou parede com a cor a ser substituída. Estas duas opções possuem maior limitação de espaço, apesar de mais seguras. Tome cuidado com tomadas, cabos e pregos – estes itens não poderão ser cortados na edição.

As filmagens

Muitas pessoas acreditam que a pós-produção é capaz de fazer milagres e desenvolver um filme quase por completo, mas isso está errado. Para uma produção ser boa é preciso que o processo de filmagem tenha sido eficiente. No caso do uso do chroma-key a regra de ouro é: cuidado com a iluminação.

Já comentamos que em muitas situações a escolha errada do fundo pode resultar em um problema na hora da edição, justamente porque esse fundo refletiu as luzes do estúdio. Contudo, essa não é a única preocupação. Filmagens com muitas sombras ou diferenças de iluminação no fundo podem acabar comprometendo todo o seu trabalho e dificultando a etapa de edição. 

Assim, garanta que suas luzes estão posicionadas da maneira correta, proporcionando uma iluminação uniforme. Isso também evita que o spill gerado pelo fundo seja refletido nas pessoas. Seguindo essas dicas, basta filmar normalmente e arrasar na pós-produção.

chroma-key

Como instalar o Chroma-key

Se você já entendeu como funciona o chroma-key e os pontos de atenção para o seu uso, agora é a hora de instalar o seu fundo. Aqui, é preciso que ele esteja preenchido de forma sólida, seja de maneira fixa por meio de tinturas, ou removível por meio de tecidos.

Tinta

Uma maneira de  utilizar a técnica do chroma-key é fazendo de fundo uma parede pintada. Nesse caso, a cor verde talvez seja a mais versátil e indicada, já que não será possível trocar o fundo a cada nova gravação. Os cuidados nesse caso envolvem manter a parede sempre limpa, sem pontos de interferência como tomadas, pregos ou parafusos. Outro ponto diz respeito ao tipo de tinta utilizada. Evite aquelas brilhantes e que reflitam muito a luz, pois esse pode ser um problema na hora da edição.

Tecidos

Utilizar tecidos como fundos para a técnica do chroma-key é muito comum devido a sua versatilidade. Na maioria dos casos, se adota uma estrutura móvel, que suporte sempre a cor mais adequada para cada produção. 

Contudo, apesar dessa opção ser atrativa já que permite sempre trocar a cor do fundo, alguns cuidados são necessários. Tecidos são materiais que amassam com muita facilidade, além de refletirem luz ou apresentarem textura. Esses pequenos detalhes podem resultar em uma complicação na hora da edição e por isso é preciso cuidado na hora da escolha e da produção, se lembrando sempre de esticar bem o tecido e de armazená-lo com cuidado ao fim da gravação.

Papel

Tão versátil quanto o tecido, os fundos de papel também são bastante comuns. Uma solução rápida e barata é utilizar a cartolina como sua aliada nesse processo. Basta fixá-la em uma parede e começar a gravar. Aqui os cuidados também são os mesmos: é importante que ela esteja bem esticada para não amassar. O papel fosco também é o mais indicado, já que o reflexo da luz pode prejudicar a pós-produção.

Com técnicas como o chroma-key, você poderá produzir conteúdos ainda melhores. Além de escolher as ferramentas para venda de vídeos, você pode estudar como aumentar a monetização destes materiais.


Pronto! Depois de gravar seu vídeo de acordo com todas as instruções apresentadas, é só caprichar na pós-produção, colocando na edição o cenário mais adequado para o objetivo do seu material.

E claro, o trabalho não termina por aí. Se os vídeos são seu negócio, você deve pensar com cuidado na sua distribuição. Produtores de cursos online, por exemplo, devem optar por trabalhar com plataformas personalizáveis e que facilitem o consumo dos conteúdos por parte dos clientes, com estabilidade e alta qualidade. 

➡️ Conheça as soluções profissionais da Netshow.me para produção e distribuição de vídeos, e veja como seu projeto pode ter ainda mais sucesso!

Escrito por Gabriele Gonçalo