Quais são as inovações tecnológicas mais utilizadas na sociedade atual?

Apesar de inovação e tecnologia serem conceitos diferentes, eles caminham juntos e são a força motriz do progresso. Conheça as 11 principais tendências tecnológicas da atualidade e como elas otimizam processos, reduzem custos e potencializam a experiência do cliente. Além disso, saiba como cada uma destas criações de mentes notáveis pode ser implementada na sua empresa para melhorar seus resultados.
quais são as inovações tecnológicas mais utilizadas na sociedade atual
Índice deste artigo:

Apesar de não serem a mesma coisa, os conceitos de inovação e tecnologia caminham juntos. Empregados desde a origem da humanidade, ambos são responsáveis por trazerem impactos positivos à sociedade e são a força motriz do progresso. Isso leva muitos a se perguntarem: quais são as inovações tecnológicas mais utilizadas na sociedade atual?

Criadas a partir de ideias e o uso de conhecimento científico, elas são responsáveis por revolucionar a maneira com a qual vivemos e fazemos negócios.

Conhecer as principais tendências e tecnologias é central para gerar impactos positivos no cenário corporativo. Seja com o uso de novas ferramentas ou a implementação de paradigmas, é possível otimizar processos, reduzir custos e potencializar a experiência do cliente.

Neste artigo, você conhecerá as 11 principais tecnologias inovadoras da atualidade. Além disso, todos os benefícios e como cada uma destas criações de mentes notáveis pode ser implementada na sua empresa. Vamos nessa?

1. Inteligência Artificial

Começaremos por uma das inovações tecnológicas mais usadas na sociedade atual. A Inteligência Artificial (IA) permite que softwares e dispositivos simulem a inteligência humana. Dessa forma, pode tomar decisões de maneira autônoma, aprendendo e optando racionalmente como agir.

A IA usa algoritmos que simulam o pensamento humano e processa dados com maior eficiência. Ou seja, ela pode realizar tarefas por conta própria, otimizando a operação e permitindo que as pessoas foquem em outras atividades — e, consequentemente, trazendo economia de recursos.

Como exemplo do uso de inteligência artificial nas empresas vale destacar os chatbots para o atendimento automatizado. Nos últimos meses, um uso desta tecnologia deu o que falar.

Com mais de 100 milhões de usuários ativos, o ChatGPT, da OpenAI, é um robô de bate-papo que oferece respostas em textos articulados. O professor Christian Terwiesch, da Universidade de Wharton, aplicou três provas complexas à máquina — e ela terminou com três diplomas.

2. Machine Learning

Já o Machine Learning é um conceito relacionado à Inteligência Artificial. Por definição, ele é a habilidade da máquina usar as próprias experiências para aprender e adaptar seu comportamento, tudo isso sem interferência humana.

O termo foi criado em 1962 pelo pesquisador Arthur Samuel, da IBM, que colocou um computador IBM 7094 para disputar uma partida de damas contra Robert Nealey, na época, o melhor jogador do mundo. Como você pode imaginar, a máquina venceu.

Para essa inovação tecnológica funcionar, são usados dados para identificar padrões e correlacioná-los. Entre exemplos famosos de Machine Learning estão os algoritmos de redes sociais e plataformas de streaming e suas diversas aplicações, que analisam o comportamento do usuário para entregarem conteúdos mais parecidos com os consumidos por ele.

Essa tecnologia permite não só a entrega de experiências personalizadas, mas também a redução de custos. A Seguros Unimed projeta uma economia de R$ 7 milhões por ano com o uso de Machine Learning para otimizar a precificação de serviços.

3. 5G

Concebida na década de 60 e surgida nos anos 80, a internet é a inovação tecnológica mais usada na sociedade atual, sendo crucial, inclusive, para o uso de muitas das aplicações desta lista. Não à toa, sua evolução foi marcada por diversas gerações até a chegada do 5G.

Criada em 2018, a rede oferece maior eficiência e velocidade, além de menor latência. Isso se deve ao fato da tecnologia ter suporte a uma gama ainda maior de frequências. No Brasil, a implementação do 5G se deu em 2022, com a capital Brasília sendo a primeira cidade a recebê-la.

Por oferecer maior qualidade às conexões, a quinta geração da internet é central para os negócios digitais. Afinal, ela permitirá a redução de custos e o aumento da qualidade dos conteúdos disponibilizados, facilitando a criação de soluções ainda mais práticas.

Segundo estudo da KPMG, 56% das empresas planejam a implementação da rede na operação. No entanto, só 20% dos negócios já possuem projetos com o 5G.

Entre os fatores destacados pela pesquisa está o fato da tecnologia só estar disponível em dispositivos mais modernos. Por isso, é importante saber se a sua audiência os usa para conquistar a sua atenção.

4. Cloud Computing

Antigamente, a disponibilização de softwares e dados era feita por meio de recursos como disquetes, CDs, pen drives e HDs móveis. Hoje, esses artefatos se tornaram relíquias graças à tecnologia de Cloud Computing, que permite o acesso remoto a arquivos armazenados em outros dispositivos.

Criado em 1993 pela General Magic e a AT&T, o termo ganhou mais força à medida que a sociedade foi se digitalizando. Com o enorme fluxo de dados e os avanços em hardware, tornou-se viável disponibilizar conteúdos digitais como imagens, áudios, vídeos na nuvem, trazendo maior comodidade para o usuário.

Porém, é um equívoco pensar que o Cloud Computing é apenas um repositório de arquivos. Modelos de negócios como SaaS (Software as a Service) e PaaS (Platform as a Service) dificilmente seriam possíveis sem a tecnologia — afinal, eles dependem do acesso remoto a um servidor.

5. IoT (Internet das Coisas)

Entre as inovações tecnológicas mais utilizadas atualmente está a Internet das Coisas (IoT). Por definição, o conceito emprega a rede mundial de computadores a dispositivos inteligentes — ajudando o usuário a realizar tarefas cotidianas. Para isso, são usados sensores e softwares.

Como exemplo mais famoso de aparelho IoT está a Alexa, criada pela Amazon e lançada em 2014. Trata-se de uma assistente conversacional que auxilia a pessoa em tarefas domésticas, como fazer pesquisas na internet, realizar compras, ouvir podcasts e até controlar a iluminação e os acessos de casa.

Além disso, a IoT pode ser usada nos mais diversos nichos. Setores como telecomunicações, logística, agronegócio e medicina se beneficiam da tecnologia, auxiliando na execução do trabalho e oferecendo dados completos ao usuário. Não à toa, um estudo da Gartner prevê o surgimento de dispositivos ainda mais abrangentes, acessíveis e inovadores em 2023.

Segundo a consultoria IoT Analytics, existem mais de 14,4 bilhões de dispositivos com a tecnologia no mundo inteiro — dois para cada habitante do mundo. Já a Meticulous Research projeta que esse mercado atinja o valor de US$ 17,68 bilhões em 2030, com crescimento anual de 46,7%.

6. Big Data

O uso de dados para a tomada de decisões é cada vez mais utilizado pelas empresas. Segundo estudo da International Data Corporation (IDC), o investimento na coleta dessas informações atingiu US$ 187 bilhões em 2022.

Eventos online inovadores

Além disso, a previsão da consultoria é de que no triênio de 2021 a 2024 aconteça a geração de mais dados do que nas três décadas anteriores.

Não à toa, a Big Data é uma das principais inovações tecnológicas da atualidade. Trata-se de um grande volume de dados cuja magnitude não consegue ser processada por softwares tradicionais.

Criado na década de 1960, o conceito ganhou força a partir de 2005 com o fortalecimento de plataformas como Facebook e YouTube. Com o grande fluxo de dados gerado, o Big Data se tornou essencial para realizar sua extração, manuseio e análise.

Entre os principais usos da tecnologia nas empresas estão a análise preditiva, personalização de experiências e visualização dos dados para a tomada de decisões mais assertivas.

New call-to-action

7. Robotic Process Automation (RPA)

Antigamente, as tarefas eram executadas manualmente por humanos. Com o avanço da robótica, a realidade hoje é outra: é possível delegar determinadas ações para máquinas — principalmente atividades braçais e repetitivas, que exigem maior precisão.

Também conhecida como robotização, a Robotic Process Automation (RPA) é o uso de um software integrado com outras ferramentas para a automatização de processos. Por permitir o processamento de informações com maior velocidade, a tecnologia oferece maior produtividade e redução de custos às empresas.

Além disso, o recurso permite o investimento do capital humano em tarefas estratégicas. Não à toa, ela é uma das tecnologias inovadores mais demandadas pela sociedade. Vale ressaltar que, apesar de semelhante, o RPA não é a mesma coisa que IA — sendo usado para automatização de processos que não precisam de interpretação de dados.

Entre os principais exemplos de robotização estão máquinas de vendas usadas nos setores comercial e gastronômico, além da automatização da produção industrial em fábricas de produtos dos mais diversos segmentos.

8. Hiperautomação

Essa inovação tecnológica é a junção de três mencionadas anteriormente: Inteligência Artificial, Machine Learning e Robotic Process Automation. Por definição, a Hiperautomatização é o processo de delegar tarefas repetitivas à máquina.

Criado em 2019 pela Gartner, o termo é considerado pela consultoria a principal tendência tecnológica da próxima década. A Hiperautomatização não só é responsável por aperfeiçoar processos, como também os humanos. Segundo o estudo da consultoria, ela se estende nas ferramentas e oferece maior sofisticação à automatização.

Ou seja, a Hiperautomação permite a redução da burocracia, redução de custos e minimiza erros na execução de tarefas. Por isso, é imprescindível para trazer maior competitividade às empresas e na criação de inovações.

🎯 Pretende inovar no seu negócio? Estes artigos podem te interessar:

9. Blockchain

Criado por Gavin Wood em 2014, o conceito de Web3 define a internet como um ecossistema digital descentralizado e não seria possível sem uma tecnologia: a blockchain. Trata-se de um banco de dados que permite o compartilhamento de dados com maior velocidade, transparência e segurança.

Dessa forma, é possível usar a tecnologia para ativos tangíveis e intangíveis — que podem ser vendidos via blockchain. Ela surgiu em 2008, quando Satoshi Nakamoto criou o criptoativo pioneiro: o Bitcoin.

Por não ser controlada por instituições, a tecnologia se popularizou por servir como um livro-razão que registra todas as transações realizadas na rede. Dessa forma, a blockchain trouxe a descentralização de negócios, oferecendo maior autonomia aos empreendedores.

10. Biotecnologia

Inovação e tecnologia também se aplicam aos organismos vivos, algo que é aplicado na denominada biotecnologia. Segundo definição da ONU, ela é a aplicação de conhecimentos científicos em sistemas biológicos e organismos para a criação ou melhoria de produtos.

Dessa forma, a biotecnologia usa experimentação e inovação para gerar impacto na sociedade. Sua origem se deu em 6.000 a.C., com a criação das técnicas de fermentação para produção de bebidas alcoólicas, pães e queijos. Outro exemplo é a descoberta de penicilina em 1928, feita pelo escocês Alexander Fleming.

Com os investimentos em biotecnologia crescendo e campos como engenharia genética em alta, setores como medicina, indústria e agricultura são algumas das principais aplicações dela. Segundo estudo da Deloitte, essa inovação tecnológica representa 27% do mercado — o que aumentará para 31% em 2024.

11. Streaming (uma das inovações tecnológicas mais utilizadas atualmente)

Antigamente, o consumo de conteúdos digitais era feito obrigatoriamente com o uso de mídia física. Com a criação da tecnologia de streaming, tornou-se possível acessá-los através da internet — sem precisar fazer download ou upload deles.

Essa tecnologia de transmissão de dados é utilizada por plataformas digitais para a difusão de conteúdos de diversos formatos, como áudio, vídeo, texto e imagens. Sejam gravados ou ao vivo, os conteúdos podem ser acessados por dispositivos como tablets, computadores e smartphones.

Com a popularização de plataformas de vídeo sob demanda como a Netflix e sites como o YouTube, o streaming revolucionou a maneira com a qual consumimos conteúdo. Dessa forma, a tecnologia transcendeu o entretenimento e atingiu o mercado corporativo e de eventos.

No Brasil, 71% da população utiliza pelo menos uma plataforma de streaming — dados do Comitê Gestor de Internet. Entre os formatos de conteúdo, o destaque é o vídeo: seu consumo cresce 18,3% por ano e representa um terço dos dados da internet.

Segundo a Allied Market Research, o mercado das plataformas de streaming terá crescimento anual de 29,4% e atingirá o valor de US$ 1,039 trilhões em 2027. Isso se deve aos avanços tecnológicos e a diversidade de conteúdos que se beneficiam da inovação.

Ou seja: as plataformas de streaming são terreno fértil para o mercado corporativo inovar em ações de comunicação corporativa, realização de eventos online ou híbridos e fortalecer a marca com o público

No Over The Cast, o cofundador da Netshow.me Rafael Belmonte conversou com Pedro Dias, Diretor de Inovação do Grupo NC, sobre como é possível utilizar o streaming para potencializar os negócios. Saiba mais aqui e prepare-se pra trazer impacto para o seu negócio!

New call-to-action

De segunda a sexta das 9h às 18h.

Manaus-AM | Rua 24 de Maio, 220, Sala 801, Centro, Manaus-AM, CEP 69010-080

São Paulo – SP | Rua Arizona 491, 23 andar, Brooklin, CEP 04567-001

©Copyright 2013-2022 Netshow.me – Tecnologia de streaming para impulsionar empresas