Educação

O que é gestão do conhecimento e porque é importante aplicar no seu negócio

Neste artigo você vai aprender o que é a gestão do conhecimento e porque é importante buscar aplicá-la no seu negóio.

Escrito por Netshow.me em 25 nov 2021 | Atualizado em 25 nov 2021

14 minutos de leitura

Netshow.me

Compartilhar no Facebook
Compartilhar no Facebook
Compartilhar no Twitter

Quando um colaborador deixa a empresa, é muito importante garantir que todo o conhecimento que ele possui seja repassado para quem assumir aquela posição. Para isso, existem diversas estratégias possíveis e todas elas fazem parte da ação de Gestão do Conhecimento. 

Ao aplicar uma estratégia bem delimitada, é possível garantir o compartilhamento de todas as informações indispensáveis para uma boa execução das tarefas e andamento das ações que estão sendo desenvolvidas. Dessa forma, a empresa evita que algum conhecimento seja perdido ou acabe sendo esquecido. 

Quer saber mais sobre a Gestão do Conhecimento e como aplicá-la no seu negócio? Continue lendo este artigo! Veja também os principais tipos e porque ela é tão importante para as empresas. 

O que é Gestão do Conhecimento? 

Gestão do Conhecimento é um termo usado no mundo corporativo que se refere às informações importantes para o desenvolvimento de ações e tarefas que precisam ser geridas em uma empresa.. Portanto, todo o conhecimento que os colaboradores utilizam no dia a dia para dar seguimento às suas ações, são ativos importantes da Gestão do Conhecimento. 

Nesse caso, é importante que a empresa busque documentar e organizar essas informações de forma que fiquem acessíveis para os colaboradores que precisarem delas. Dessa forma, caso alguém saia ou entre na empresa, o conhecimento e o histórico de desenvolvimento do time não será perdido. 

Algumas questões que são respondidas pela Gestão do Conhecimento são: 

  • Quais os processos tocados por cada equipe? E cada colaborador? 
  • De que forma esse trabalho é feito? Quais os motivos? 
  • Quais competências foram desenvolvidas e quais ainda faltam?

A expressão vem do inglês “Knowledge management”, ou KM, e permite que as equipes saibam o histórico de ações de quem já passou por ali, as estratégias que foram desenvolvidas e os resultados obtidos em cada uma delas. Isso é importante para entender o histórico de cada setor e para documentar os processos e o motivo pelos quais as ações são tocadas daquela forma. 

Como a Gestão do Conhecimento pode ajudar a sua empresa?

Uma forma de compreender os benefícios de investir na Gestão do Conhecimento é traçando um comparativo com o que fazemos quando queremos aprender algo. Quando buscamos desenvolver um conhecimento, uma característica importante é absorver o que aprendemos. As anotações são a forma mais comum de fazer isso, não é? 

Assim, ao anotar, você estará fixando o assunto e quando for necessário retomá-lo para verificar uma informação, basta pegar as anotações. A Gestão do Conhecimento é como um grande caderno de anotações, organizado e sistematizado, abrangendo as diferentes áreas de uma empresa. Nesse caso, ele deverá registrar o maior número de informações possível. 

Por isso, a Gestão do Conhecimento é importante para as empresas, pois contribui com diferentes etapas do desenvolvimento de ações internas. Uma estratégia eficiente e organizada permite que os processos sejam desenvolvidos de forma mais ágil, afinal, não é preciso reaprender todas as etapas desde o início, visto que aquele aprendizado já está documentado.  

Além disso, garante entregas de maior qualidade, pois o aprendizado constante eleva o nível do trabalho que está sendo desenvolvido. O que também garante o desenvolvimento de estratégias e ações com maior planejamento, baseando-se no que já foi feito até agora. 

💡 Veja também: Trilhas de aprendizagem: o que são e como usar em seus cursos e eventos 

Tipos de Gestão do Conhecimento

A Gestão do Conhecimento pode ser desenvolvida de diferentes formas, não apenas por meio de conteúdo escrito. Além disso, ela pode seguir também diferentes abordagens, tanto na sua documentação quanto na passagem das informações. 

Confira os principais tipos de Gestão do Conhecimento e veja como a sua empresa pode começar a usá-las: 

Gestão do Capital Intelectual 

Nesse caso, estamos falando do conhecimento desenvolvido por cada colaborador individualmente. Assim, é possível identificá-lo, fazer a sua documentação e criar formas de compartilhar esse capital com o restante da empresa. Esse conhecimento pode ser referente a ações e processos da empresa, mas também de informações externas que podem enriquecer a todos de alguma forma. 

Por exemplo, um colaborador que tenha um conhecimento avançado com o uso de planilhas do Excell pode ter ele mapeado e ser convidado para ministrar uma aula a outras equipes. Mas, também, pode ser alguém que tenha muito conhecimento sobre música e compartilhe essa experiência com todos em aulas mais descontraídas, focadas no engajamento entre as equipes. 

Cabe ao RH da empresa participar desse mapeamento e organização dos conhecimentos e definir como eles serão compartilhados. 

💡 Também é importante: Pedagogia Empresarial: para que serve e os benefícios para o seu negócio 

Gestão da Informação

A Gestão da Informação é justamente o levantamento e arquivamento dos diferentes conhecimentos que a empresa possui. 

Por se tratar de uma forma moderna de enxergar os processos de uma empresa, Gestão do Conhecimento e inovação são termos que andam juntos. Por isso, na Gestão da Informação, podem ser usados softwares ou ferramentas para facilitar o trabalho. 

Gestão de Competências

A Gestão de Competências tem muita relação com os objetivos da empresa. Ao entender aonde quer chegar, será preciso então analisar como fazer isso. Em muitos casos, será necessário desenvolver um conhecimento específico ou uma competência. 

Nesse caso, para verificar quais são e como fazer isso é que surge a Gestão de Competências. 

Gestão do Conhecimento com a Educação Corporativa

A Educação Corporativa é uma forma de sistematizar o conhecimento. Nesse caso, estamos falando dos treinamentos e cursos formais, geralmente ministrados por um profissional da área – que pode ser interno ou externo. Aqui, o conhecimento é organizado em aulas e explicações voltadas para o desenvolvimento de uma competência ou habilidade específicas. 

Uma boa estratégia para entender as necessidades da Educação Corporativa é realizando um Levantamento de Necessidade de Treinamento. Para saber mais sobre ele, confira nosso artigo: LNT: como fazer um bom levantamento das necessidades de treinamento 

Aprendizagem Empresarial 

Quando há uma aprendizagem que deve ser coletiva, é considerada uma Aprendizagem Empresarial. Por exemplo, o funcionamento dos processos de cada equipe sobre como solicitar aprovação de orçamento para a equipe financeira ou as regras e políticas da empresa. 

Nesse caso, estamos sempre falando de um conhecimento compartilhado pela empresa e que, caso ocorra uma mudança, todos devem ser informados sobre o novo procedimento. 

Como aplicar a Gestão do Conhecimento: 5 dicas para começar agora 

Como vimos, a Gestão do Conhecimento é um artifício importante para o desenvolvimento de processos bem definidos e estruturados na empresa. Além disso, ela também contribui com o desenvolvimento da comunicação interna, pois quando há um compartilhamento claro das informações, fica mais fácil compreender o andamento das ações e decisões. 

Confira algumas dicas para começar a aplicar essa estratégia no seu negócio: 

1. Mapeie o conhecimento 

O primeiro passo para aplicar a Gestão do Conhecimento é providenciar um mapeamento daquilo que é importante para o seu negócio. Existem dois tipos  principais de conhecimento que devem ser identificados: 

  • conhecimento tácito: é aquele conhecimento operacional, desenvolvido com a prática das tarefas e que geralmente não está documentado em algum lugar; 
  • conhecimento explícito: é aquele mais técnico, presente em normas, manuais e regras de uso. Geralmente é mais formal e está documentado. 

O conhecimento explícito costuma ser mais fácil de ser documentado no dia a dia das organizações. Contudo, especialmente quando há a troca de pessoal em um cargo, o conhecimento tácito é muito importante. 

Por isso, busque contemplar os dois formatos no mapeamento – ainda que seja possível dar maior preferência inicialmente para o conhecimento explícito. 

2. Desenvolva estratégias para compartilhar o conhecimento tácito 

Uma dificuldade inerente ao conhecimento tácito é a sua documentação. Isso porque, geralmente, é mais trabalhoso descrever a ação do que simplesmente executá-la. Por isso, é importante ter estratégias de compartilhamento do conhecimento tácito.  

Por exemplo, digamos que um empreendedor trabalhe com cursos online e resolva contratar um estagiário para cuidar das redes sociais. Na hora de passar as tarefas, existem boas práticas e tarefas que ele costuma seguir, mas que seriam difíceis de ser documentadas por escrito. 

Por isso, uma forma interessante de repassar esse conhecimento é por meio de aulas ao vivo, em que ele explica o passo a passo e vai mostrando tudo direto na rede social. 

3. Transforme conhecimento em tarefa

Para que os colaboradores se sintam motivados a aprender, é importante que a empresa crie mecanismos reais de incentivo. Não basta apenas passar uma lista de habilidades que devem ser aprendidas em determinado momento, mas criar ações para isso. É importante ressaltar que essas ações devem ser realizadas durante o horário de trabalho. 

Uma forma de fazer isso é incentivando que lideranças e liderados desenvolvam Pactos de Desenvolvimento Individual, os PDIs. Neles, o colaborador lista, junto com a chefia, as capacidades que quer desenvolver, ações específicas para tornar isso possível e pontuações para cada tarefa realizada. Elas podem inclusive estar vinculadas às metas individuais.  

4. Desenvolva uma rotina de aprendizados

Outra maneira da empresa incentivar o desenvolvimento dos colaboradores é por meio da criação de ações rotineiras e coletivas de aprendizado. Assim, ela mostra que esse é um compromisso de todos. Além de gerar mais conhecimento, ações coletivas também promovem a integração de diferentes equipes. 

A organização pode ser feita pelo RH e cada setor pode estar engajado em desenvolver uma delas. Por exemplo, a equipe de Produto pode fazer reuniões quinzenais para explicar funcionalidades específicas que foram desenvolvidas. A equipe de Suporte pode ter reuniões mensais com toda a empresa para expor as principais reclamações dos clientes e como foram resolvidas. 

Outra aposta pode ser nas ações coletivas internas a cada equipe, gerando maior união e troca de experiências. 

📚 Saiba mais: Universidade Corporativa: o que é, exemplos e como implementar  

5. Invista em uma plataforma de vídeo especializada

Para garantir que a Gestão do Conhecimento seja feita de forma organizada e segura, é importante investir em uma plataforma profissional. Esse serviço pode oferecer uma série de benefícios para muitas aplicações, por exemplo: 

  • transmissão de conteúdo ao vivo ou gravações para comunicados e avisos; 
  • veiculação segura de informações para o compartilhamento de temas sensíveis ou sigilosos; 
  • vídeos que rodam sem travamento para treinamentos e capacitações; 
  • capacidade de gravação e armazenamento dos conteúdos; 
  • possibilidade de usar diferentes formatos de arquivo; 
  • suporte profissional para eventuais dificuldades ou falhas; 

Sim, existem plataformas que oferecem tudo isso e muito mais! A Netshow.me é uma delas. 

Além de todas essas vantagens, você também pode ter uma  plataforma própria para fortalecer a comunicação interna do seu negócio. 

Converse com um especialista da Netshow.me e comece hoje mesmo a garantir a Gestão do Conhecimento do seu negócio. 

Escrito por Netshow.me

Este artigo foi produzido pela equipe de especialistas da Netshow.me. Oferecemos serviços para gerenciamento, distribuição e monetização de vídeos e conteúdos online. Produzimos conteúdos com o objetivo de fazer com que você também se torne um especialista.