Monetização de Conteúdos

Pay-Per-View: Tudo o que você precisa saber sobre este modelo de negócios

Saiba o que é Pay-Per-View e os benefícios deste modelo de conteúdo sob demanda – que não é exclusivo da televisão.

Escrito por Gabriele Gonçalo em 01 set 2020 | Atualizado em 30 jul 2021

12 minutos de leitura

Arquivos

Compartilhar no Facebook
Compartilhar no Facebook
Compartilhar no Twitter

Já pensou em adotar um modelo para vender conteúdo digital no qual o usuário paga para consumir materiais específicos durante determinado período? Ele existe e chama Pay-Per-View (PPV) – e acredite, não é algo exclusivo da televisão.

Neste artigo, você pode saberá o que é Pay-Per-View, quais os benefícios deste tipo de receita e no que ele se diferencia do Video on Demand. Para completar, separamos algumas dicas para você usar o PPV no seu conteúdo. Vamos juntos?

O que é Pay-Per-View?

Traduzido do inglês, o termo Pay-Per-View significa pague por exibição. Nele, o usuário compra o acesso a conteúdos específicos por determinado período – independentemente dele ser ao vivo ou gravado.

Caso você esteja se perguntando como funciona o Pay-Per-View, é simples: a plataforma de conteúdo bloqueia o acesso ao material e o libera após o cliente pagar para usufruir dele. Ou seja, você estará usando um paywall para gerar receita com seu conteúdo.

Este tipo de vídeo sob demanda pode ser utilizado para permitir que o usuário consuma este conteúdo durante um tempo limitado, somente uma vez ou até o adquira definitivamente. Quem define é você.

Criado nos Estados Unidos durante a década de 50, este conceito mostrou seu potencial financeiro em 1975. O que aconteceu? A HBO transmitiu a luta de boxe entre Muhammad Ali e Joe Frazier por PPV. Thrilla in Manila, como foi batizada, teve audiência de mais de 500 mil pessoas.

E não pense que o Pay-Per-View se ateve às competições esportivas. Como este modelo revolucionou a dinâmica entre canais e usuário, operadoras de TV a cabo passaram a usá-lo para o aluguel shows, filmes e séries – tendência popularizada na década de 90.

Mas isso não é coisa de televisão? Não. Apesar de ser um modelo de negócios que ganhou tração graças a este segmento, trata-se de algo que pode ser usado em qualquer projeto de conteúdo – desde que com as ferramentas adequadas, como uma  plataforma OTT ou um software de transmissão ao vivo.

Benefícios do Pay-Per-View

Por que usar o PPV para ganhar dinheiro com vídeos? Como todo modelo de negócios, ele possui particularidades que o colocam como uma opção atrativa. A seguir, confira uma lista com os principais benefícios do Pay-Per-View:

1. Diversidade de nichos

Quando falamos sobre a origem do PPV, você provavelmente reparou na diversidade de nichos que podem usar o modelo. Canais Pay-Per-View disponibilizam competições esportivas como futebol e artes marciais, reality shows como Big Brother Brasil (BBB) e até o aluguel de filmes e séries.

E por que parar por aí? Além de ser usado no ramo de entretenimento, este modelo pode ser usado para monetizar a transmissão dos vários tipos de eventos online como palestras, workshops e seminários – ou até ganhar dinheiro com cursos digitais e workshops.

2. Alta escalabilidade

E por que existem tantos nichos aderindo ao conteúdo Pay-Per-View? Entre os motivos está o fato deste modelo possuir alta escalabilidade – ou seja, trata-se de um produto que pode ser vendido em grande escala sem grandes aumentos nos custos de produção.

Como o investimento na produção do conteúdo independe da audiência, o lucro com a venda do acesso a ele atingirá valores ainda maiores. Não à toa, o retorno sobre investimento (ROI) deste negócio escalável é alto.

3. Acessibilidade em dispositivos móveis

Outra vantagem do PPV é o fato dele permitir a acessibilidade em diversos aparelhos. Com a grande aderência de dispositivos móveis no mercado, é possível garantir que seu público assista ao conteúdo não só no desktop, mas também em celulares e tablets.

Além de proporcionar maior comodidade ao usuário, isso aumenta o alcance da sua transmissão. Afinal de contas, mais pessoas conseguirão consumir o conteúdo.

Vale ressaltar que é importante verificar se a plataforma escolhida possui suporte a todos estes dispositivos – seja com design responsivo ou até aplicativo próprio.

Flow Experience 2020

Tipos de Pay-Per-View

Como foi dito anteriormente, PPV é a venda de um conteúdo para ser consumido em um período pré-determinado. Existem mais de uma maneira para gerar receita com o modelo. Confira os dois tipos de Pay-Per-View que você pode usar:

1. Visualização única

Como o nome diz, este tipo de PPV permite que o usuário compre acesso ao seu conteúdo para uma visualização única. Funciona para transmissões ao vivo, seja de eventos corporativos, artísticos e até esportivos.

Caso o usuário não vá assistir o conteúdo em tempo real, o modelo também pode ser utilizado. No entanto, não é prática uma tão comum no mercado.

2. Múltiplas visualizações

E quando não se trata de conteúdo ao vivo? Neste caso, existe a possibilidade de permitir ao cliente pagar para consumir o conteúdo como desejar durante um período definido. Este modelo permite múltiplas visualizações e funciona como o aluguel de vídeos nas antigas locadoras de filmes.

Vale ressaltar: eventos ao vivo também podem adotar este tipo. Por exemplo, a gravação da transmissão pode ficar disponível na plataforma para ser assistida após ela terminar.

Qual a diferença entre Pay-Per-View e Video on Demand?

Então quer dizer que Pay-Per-View e Video on Demand (VOD) são a mesma coisa? Cuidado ao fazer esta comparação. Quando você se perguntar o que é VOD, tenha em mente o fato de se tratar de um conceito de distribuição de vídeos sob demanda.

Nele, o espectador escolhe o quê, quando e onde assistir. Tudo isso sem a intermediação de terceiros como empresas de telecomunicações. Aqui, a relação é somente entre usuário e plataforma.

Então por que são coisas diferentes? VOD é um conceito amplo que pode usar vários modelos de receita e, consequentemente, acesso aos conteúdos. O PPV é um destes tipos – e, vale ressaltar: é possível usar mais de um na sua plataforma, desde que faça sentido ao seu negócio.

A seguir, você pode conferir os possíveis modelos de receita para uma plataforma VOD:

1. Subscription Video on Demand (SVOD)

Quer criar um clube de assinaturas para monetizar o seu conteúdo sob demanda? Para isso, existe o Subscription Video On Demand (SVOD). Nele, é possível cobrar pelo acesso ao conteúdo por uma periodicidade definida – seja ela mensal, semestral ou até anual.

Este modelo permite que o usuário assista ao material quantas vezes quiser e no momento que desejar. Para isso, deve-se pagar um valor fixo para ter acesso a todo o conteúdo disponível na plataforma.

Como maiores exemplos de SVOD temos as gigantes como Netflix e Amazon Prime. Este modelo de negócios funciona bem com filmes, documentários e até reality shows.

2. Advertising Video on Demand (AVOD)

E se o objetivo é oferecer conteúdo gratuito para o usuário sem deixar de monetizar seus vídeos? Isso é possível graças ao Advertising Video on Demand (AVOD).

Quando falamos deste modelo, é impossível não dissociá-lo da boa e velha publicidade. Seu conteúdo gerará receita através de anúncios – podem ser banners clicáveis ou até vídeos puláveis.

No AVOD, você receberá um valor proporcional às visualizações e cliques destas propagandas – e depende das regras de monetização da plataforma.

Para exemplificar, é impossível não lembrar do YouTube e do Vimeo. Estes sites de vídeos usam o modelo e podem ser úteis para negócios de conteúdo que buscam investir menos na plataforma – apesar de que oferece menores possibilidades de monetização.

3.  Transactional Video on Demand (TVOD)

Quando falamos sobre consumir conteúdos específicos, o Transactional Video on Demand (TVOD) é o modelo a ser utilizado. Aqui, o cliente compra o acesso ao vídeo por determinado período.

Diferentemente do SVOD, o usuário escolhe quais materiais vai adquirir. Assim, dá para ter acesso a estes conteúdos na plataforma ou, em alguns casos, fazer o download deles.

Sabe qual é o outro nome pelo qual este modelo é conhecido? Pay-Per-View. Este formato é mais utilizado para transmissão ao vivo de partidas esportivas e outros eventos, além do aluguel de conteúdo.

Como usar o Pay-Per-View para vender conteúdo?

Como é possível ver, o PPV é um modelo de negócios com grande potencial de monetização. Para ter sucesso nesta empreitada, é necessário ter alguns cuidados. Pensando nisso, separamos algumas dicas para você usar o Pay-Per-View para vender conteúdo. Confira:

1. Faça um planejamento de conteúdo

Antes de qualquer coisa, é imprescindível fazer um planejamento de conteúdo. Pense na sua ideia e em como produzi-la. Isto lhe dará a visão estratégica sobre como disponibilizá-la ao público de maneira que faça maior sentido – seja com material ao vivo ou gravado.

2. Defina a precificação

Outro ponto importante é definir a precificação. Para isso, é necessário colocar na ponta da caneta todos os custos de produção do conteúdo, além dos investimentos a serem feitos para ele chegar ao público. Desta forma, você saberá quanto poderá cobrar pelo acesso.

3. Escolha a plataforma adequada

Para concluir, é necessário saber onde disponibilizar o seu conteúdo. Como mencionado anteriormente, existem dois tipos possíveis: o programa para transmissão ao vivo ou a plataforma OTT.

Qual a melhor opção? Depende. Caso seu objetivo seja vender acesso a eventos pontuais realizados em tempo real, o software de transmissão ao vivo é uma boa pedida. Se o objetivo é uma solução mais robusta, vale a pena aderir à tendência OTT – ela permite oferecer conteúdo gravado e até incorporar lives à plataforma.

Na hora de escolher, é importante optar por uma ferramenta que permita restringir a exibição de conteúdos a grupos específicos – afinal, esta é a base deste modelo de negócios. Isso, aliado a uma plataforma de pagamento online, te permitirá desfrutar de todas as vantagens do PPV.

Quer começar a ganhar dinheiro vendendo conteúdo sob demanda? Fale com um de nossos especialistas e saiba como!

Banner-livecompleto

Escrito por Gabriele Gonçalo