Educação

Rádio Corredor: os prejuízos e boas práticas para evitar esse problema

Saiba o que é a rádio corredor, os fatores que contribuem para seu fortalecimento e como evitar que ela cause prejuízos em seu negocio.

Escrito por Netshow.me em 04 ago 2021 | Atualizado em 31 ago 2021

13 minutos de leitura

freepik.com, unsplash.com

Compartilhar no Facebook
Compartilhar no Facebook
Compartilhar no Twitter

Sabe aqueles assuntos que surgem na empresa e ninguém sabe confirmar se são verdade ou não, mas que continuam sendo repetidos? Pois bem, esses rumores que, muitas das vezes, são baseados em informações exageradas ou falsas, são popularmente chamados nas empresas de rádio corredor

A rádio corredor surge em paralelo aos canais e comunicados oficiais da empresa. Ela existe quando não há um repasse de informações centralizado, periódico e participativo. Ou seja, quando há ruído na comunicação entre a organização e os colaboradores.  

Dependendo do tipo de boato que é tratado, ela pode ser bastante prejudicial para a empresa. Por isso, é importante buscar formas de desarticular essa comunicação paralela. Nesta publicação, vamos explicar o que é a rádio corredor, como ela surge e os prejuízos que causa e, também, como evitar que ela exista. 

Neste post, você vai ver: 

  • O que é a rádio corredor? 
  • De onde surgem os ruídos de comunicação? 
  • Os prejuízos da rádio corredor
  • Como evitar a comunicação descentralizada
  • Alinhando a comunicação com o time 

O que é a rádio corredor

Pode-se dizer que  a rádio corredor é “a versão organizacional da fofoca” e tem esse nome por sua característica de transmissão oral de informações, assim como é feito no rádio. Contudo, a informação repassada é, muitas vezes, um boato que, de tanto ser repetido pelos corredores da empresa, parece ser real. 

Geralmente, é resultado de falhas no fluxo da informação, que podem ser chamadas de “ruídos”. Para resolver a questão, é preciso uma mudança na estratégia de comunicação interna. Portanto, para fazer isso, é importante começar entendendo de onde vêm esses problemas.

De onde surgem os ruídos de comunicação

Em qualquer âmbito da vida social, uma comunicação cruzada é sempre um problema. Um ambiente organizacional em que as informações sobre a empresa não são repassadas de forma clara, é propício para que a rádio corredor seja ligada. 

Pensando nisso, um caminho importante a ser trilhado quando se quer acabar com essa prática, é compreender de onde ela nasce. Lembrando que a causa pode não ser única, mas o resultado de uma combinação de fatores. 

Veja algumas questões que podem contribuir para o surgimento da rádio corredor:

1. Liderança distante e inacessível 

Em muitas empresas a comunicação estabelecida entre a chefia e os colaboradores é descendente. O que isso quer dizer? As informações são repassadas sempre em um fluxo de cima para baixo. Nesse caso, não há um retorno de quem está nas camadas inferiores do processo comunicativo. Os profissionais não têm espaço para expressar sua opinião ou sugestões. 

Na comunicação interna, se não há espaço para que sejam ouvidos, como é possível esperar engajamento dos colaboradores? As informações, portanto, precisam seguir uma via de mão dupla, onde os funcionários podem enviar o seu feedback.

2. Falta de repasses periódicos 

Se a comunicação descendente é um problema, imagine como é não ter uma comunicação? Os repasses são o meio pelo qual os colaboradores ficam sabendo o que está acontecendo na empresa, quais são as últimas mudanças e os caminhos que vão ser seguidos de forma mais geral. 

Com um repasse centralizado e periódico, por exemplo, mensal ou bimestral, reduz-se a chance de alimentar a rádio corredor.

3. Gestão de resultados pouco transparente

A comunicação é também uma ferramenta de construção da confiança. Quando uma organização não repassa aos colaboradores os resultados obtidos pela empresa, ela os deixa sem saber o que está acontecendo. 

Esse é um cenário ideal para que a rádio corredor crie boatos de que as coisas vão mal ou que mudanças estão acontecendo na empresa. Se este for o caso, esconder será pior. Afinal, no momento de dificuldade, o espírito de união e a motivação são ainda mais importantes. 

Se não for verdade, é bastante desmotivador que os colaboradores tenham essa impressão, não é? Além de prejudicar a imagem externa da organização. Compartilhe também as boas notícias quando elas chegarem. 

4. Vazamentos de informações

Há sempre alguém que soube uma coisa de outra pessoa, que ouviu outra comentando com outra que estava em alguma reunião. Às vezes é apenas um telefone sem fio, mas, em alguns casos, pode ser que tenha acontecido algum vazamento de informações.

Os motivos para que isso ocorra são muitos mas, talvez, tenha acontecido porque não está claro, para as pessoas que receberam alguma informação que aquele assunto era um conteúdo sensível e deveria ser preservado. Mais uma vez, a comunicação clara e direta faz toda a diferença. 

Os prejuízos da rádio corredor

Como você viu, algumas escolhas feitas na comunicação organizacional podem criar um ambiente propício para a rádio corredor. Para que tenhamos dimensão dos problemas gerados por essa prática, vamos analisar alguns dos prejuízos provocados por ela. 

Esses são só alguns dos problemas que podem aparecer na empresa por causa dessa prática, mas são o suficiente para nos alertar sobre a seriedade da questão:

1. Falta de engajamento dos colaboradores

O que é falado nos corredores da empresa pode ser crucial para o engajamento. Vamos pensar no caso da comunicação descendente. Se o assunto da rádio é que a empresa nunca considera a opinião dos colaboradores, fica difícil responder a esta questão quando não há maneiras de entregar feedbacks. 

Nesse caso, como esperar que os colaboradores estejam engajados? Afinal, eles acreditam que não têm sua voz ouvida e, muito provavelmente, não vão querer fazer parte das atividades propostas. 

2. Falta de confiança na empresa

Como já foi dito aqui: a comunicação também é uma ferramenta de construção de confiança. Se não há comunicação, o colaborador não se sente considerado e dificilmente sentirá confiança na empresa. 

Como exemplo, pense em um relacionamento – seja de amizade, romântico ou familiar. Em qualquer relação interpessoal, a comunicação é fundamental para que as partes se entendam e confiem umas nas outras. O mesmo acontece nas organizações pois, na prática, também estamos falando da relação entre pessoas. 

3. Aumento das taxas de turnover 

Um ambiente organizacional que volta e meia é tomado por fofocas não é um ambiente agradável. Internamente, essas conversas paralelas podem criar um clima negativo entre os colaboradores e contribuir para que eles busquem oportunidades em outras empresas.

Além disso, quando a rádio corredor leva seus boatos para fora da empresa, pode acabar prejudicando a sua imagem no mercado. Rumores ligados à chefia ou ao funcionamento de processos acabam contaminando a opinião de quem está de fora antes que possam chegar a conhecer a empresa. Nesse caso, pode ser um fator que influencia negativamente a aquisição de novos talentos.  

4. Diminuição da produtividade dos colaboradores

Nesse caso, como exemplo, digamos que em determinada empresa há o boato de que ninguém é promovido, nem recebe aumento salarial. A crença nesse boato pode afetar diretamente a produtividade dos colaboradores. Se não há a possibilidade de aumento ou avanço na carreira, porque se dedicar às tarefas? É muito desmotivador descobrir que você está em uma empresa em que não é possível evoluir e crescer profissionalmente.

Com esses exemplos, fica claro que a rádio corredor é realmente um problema a ser resolvido. Para que isso seja possível, é preciso entender como sanar os ruídos na conversa entre empresa e colaboradores. 

Uma forma eficaz de enfrentar essa questão é evitando a descentralização da comunicação e criando um fluxo único e oficial de comunicação interna.  

Como evitar a comunicação descentralizada

Uma vez que a rádio corredor surge, pode ser um desafio fazer com que ela deixe de existir – mas não é impossível. Como explicamos, diversos fatores podem contribuir para que essa comunicação paralela surja em uma empresa. Com a internet e os smartphones, os boatos se espalham ainda mais rápido – e é ainda mais difícil detectar como eles surgiram.  

Contudo, com boas práticas comunicacionais, algumas estratégias e o foco em centralizar a comunicação, é possível superar essa questão: 

1. Investir em gestão à vista

A gestão à vista é um modo de gerenciamento de pessoas que deixa disponível, em tempo real, os resultados obtidos pelos colaboradores. Dentro dessa estratégia, fica claro para todos os envolvidos onde a companhia quer chegar e quais são os resultados necessários para que isso aconteça. 

Não se trata de simplesmente deixar todas as informações de indicadores e dados disponíveis para qualquer pessoa da empresa. Trata-se de comunicar os resultados que conversem com as tarefas dos colaboradores, o que é esperado deles e como eles podem atuar para atingi-los. Uma comunicação clara, sem dar margem para assuntos na rádio corredor. 

2. Abrir canais para que as pessoas façam perguntas e mandem sugestões

Abrir canais de comunicação vai muito além de simplesmente repetir que as portas estão abertas para críticas e sugestões. O que faz realmente diferença é estabelecer uma comunicação bilateral, com relações mais humanas e um clima organizacional de compreensão mútua. 

Ou seja, para além do discurso, a chefia precisa realmente conversar com sua equipe, demonstrar que está disposta a ouvir as críticas e sugestões e adotá-las quando achar pertinente. A conversa direta evita que esse assunto seja tratado em locais inadequados, como a rádio corredor.  

Um momento em que essa abertura pode ser feita de forma interessante é na Reunião de Kick-off. Esse evento, que é pensado como start de projetos, pode ser feito como uma forma de “iniciar os trabalhos” da empresa, definindo as metas e objetivos da companhia. Os colaboradores podem ser consultados nesse processo, e também ter um espaço de perguntas na reunião. 

3. Aproveitar diferentes meios para facilitar a comunicação 

Ainda que a tecnologia tenha ajudado a impulsionar a rádio corredor, a empresa também pode usá-la como aliada na comunicação interna. Uma solução interessante é investir em uma estratégia de vídeo, por exemplo. Por aqui, já mostramos que a produção de vídeo está entre as principais tendências da comunicação interna. 

Na construção dessa estratégia, é importante definir com clareza os objetivos que devem ser alcançados. Por esse motivo, plataformas que entregam relatórios e métricas de consumo dos materiais são as mais indicadas. Isso torna possível mensurar os resultados obtidos para avaliar o que está funcionando e se o objetivo está sendo alcançado. 

4. Investir em novos formatos para engajar os colaboradores 

A transformação digital é uma grande aliada no processo de engajamento com os colaboradores. Existem diversos formatos de publicação, produção de conteúdo e organização de eventos que podem ser explorados pela empresa para repassar a informação de forma centralizada, eliminando a rádio corredor.  

Transmissões ao vivo, podcasts e as universidades corporativas, são todas tendências recentes que também funcionam muito bem para a comunicação interna das organizações. Além disso, a empresa pode incluir os colaboradores para participar desses conteúdos. Participação e reconhecimento são fundamentais na motivação de equipes.

Outra abordagem que pode ser adotada pela empresa, e que também está cheia de novas tendências, são os eventos corporativos. As apresentações com transmissão ao vivo, por exemplo, também são uma grande fonte de motivação, e podem ser usadas tanto para repasse de informações e alinhamento de colaboradores – essenciais para evitar a rádio corredor – quanto para uma estratégia de endomarketing.  

É possível manter seu time alinhado sem complicações

Como vimos, a rádio corredor surge dos ruídos da comunicação interna de uma empresa. Contudo, a resolução dessa questão pode vir da centralização do fluxo de informações, oferecendo canais oficiais ativos e engajados. 

Outro ponto importante, é a maior participação dos colaboradores, contribuindo para criar um senso de pertencimento e confiança entre os profissionais. Tudo isso, claro, garantindo o bem estar dos envolvidos e a segurança e confidencialidade das informações divulgadas. 

Com a Netshow.me OTT, sua empresa pode aproveitar o poder dos vídeos para melhorar o fluxo das informações e manter seus colaboradores cada vez mais engajados e capacitados.

Com nossas soluções, sua empresa pode criar uma plataforma de conteúdos interna totalmente personalizada e trabalhar com diferentes formatos de conteúdo para enriquecer a experiência dos colaboradores, como vídeos, podcasts e e-books. 

Além disso, a Netshow.me também oferece toda a estrutura e tecnologia para a realização de transmissões ao vivo – seja de eventos ou treinamentos – e você pode trabalhar com essa estratégia de forma pontual ou integrada à plataforma de conteúdos, caso sua empresa a utilize. 

Em ambos casos, seu conteúdo fica acessível apenas para o time, suas informações ficam protegidas, e por meio das ferramentas de interação de chat e dos fóruns de discussão, seus colaboradores são incentivados a se engajar com o conteúdo, sendo que você também pode acompanhar os resultados de cada material por meio de relatórios de consumo. 

Quer saber mais sobre nossas soluções e como a Netshow.me pode te auxiliar a colocar em prática as tendências de comunicação interna? Fale com um de nossos especialistas!

Escrito por Netshow.me

Este artigo foi produzido pela equipe de especialistas da Netshow.me. Oferecemos serviços para gerenciamento, distribuição e monetização de vídeos e conteúdos online. Produzimos conteúdos com o objetivo de fazer com que você também se torne um especialista.