Empreendedorismo Digital

Metodologias ágeis: como usar para alavancar seu projeto

Entenda o que são as metodologias ágeis, as principais e como podem ser aplicadas em projetos – inclusive de cursos online.

Escrito por Amanda Potenza em 22 nov 2021 | Atualizado em 22 nov 2021

14 minutos de leitura

,

Compartilhar no Facebook
Compartilhar no Facebook
Compartilhar no Twitter

A palavra metodologia se refere às regras estabelecidas para realizar uma pesquisa, atividade ou projeto. Elas funcionam como um caminho possível a ser seguido para  alcançar determinado objetivo – seja bater uma meta ou finalizar um projeto. Nos negócios, as metodologias ágeis são os caminhos criados para quem quer fazer mais em menos tempo e por isso elas recebem tanto destaque. 

Ao usar uma metodologia, é como se o empreendedor decidisse percorrer uma trilha que já foi aberta por outra pessoa. Quem criou a metodologia passou cortando alguns espinhos, deixando o caminho mais fácil para quem veio depois. Sem ela, é você quem estará fazendo isso e, sem conhecer direito o trajeto, está sujeito a ter que voltar e começar de novo ou ter algum prejuízo.

Em um mercado tão competitivo como o que vivemos hoje, velocidade e crescimento escalável são muito importantes. Por isso, neste artigo, entenda de fato o que são as metodologias ágeis, 4 tipos principais e algumas dicas de como realizar projetos utilizando essas metodologias. 

O que são metodologias ágeis? 

O sucesso de um projeto depende muito dos processos que tornam possível o seu desenvolvimento. Para ter êxito é importante que as entregas estejam bem alinhadas e a comunicação entre os times seja eficiente. 

Para tornar isso possível, foram desenvolvidas as metodologias ágeis. O termo Metodologias Ágeis surgiu a partir da reunião de 17 pessoas que decidiram discutir uma nova abordagem para a gestão de projetos de software. Dessa união foi criado o Manifesto Ágil. 

Esse manifesto é composto por 4 sentenças e 12 princípios que devem guiar as metodologias ágeis. As quatro sentenças são as seguintes: 

  • Indivíduos e interações são mais que processos e ferramentas: a comunicação é fundamental para além dos processos; 
  • Softwares em funcionamento são mais que documentação abrangente: é comum que grandes empresas desenvolvam uma documentação extensa sobre como um software deveria funcionar, sem que isso signifique alguma coisa de fato. Por isso, o manifesto pede que os softwares sejam considerados para além dessa documentação; 
  • Colaboração com o cliente é mais que negociação de contratos: a colaboração, de fato, deve vir em primeiro lugar, buscando soluções com benefícios a todos, com entregas evolutivas e flexíveis; 
  • Responder a mudanças é mais que seguir um plano: planejamento é parte essencial de qualquer execução, mas eles dificilmente serão seguidos à risca.  

Com esses princípios, é possível entender melhor para que servem as metodologias ágeis e ao que se destinam. 

Tipos de metodologias ágeis  

Existem vários tipos de metodologias ágeis e cada uma pode se adaptar melhor a determinada equipe, projeto ou negócio. Algumas já fazem parte do nosso dia a dia e podem ser usadas inclusive para projetos pessoais. 

Para cada uma delas é muito importante  entender, de verdade, o seu funcionamento, andamento das ações e aplicações das estratégias. Conheça alguns tipos de metodologias ágeis e por onde começar para aplicá-los. 

Scrum 

A metodologia Scrum se coloca como uma forma simples de trabalhar com questões complexas. Nele, a ideia é que o trabalho seja desenvolvido a partir de ciclos menos organizados dentro de um projeto maior. Cada um desses ciclos é chamado de Sprint, e tem um período definido para ser realizado pelas equipes.  

A cada fase é importante que existam reuniões conjuntas para os membros da equipe. Em alguns casos, são realizadas reuniões de kick off para garantir um bom início de ciclo. Se você trabalha com colaboradores em diferentes localidades, considere ter acesso a uma plataforma de vídeo que faça transmissões com qualidade. 

Apesar de ser muito usada por desenvolvedores no planejamento de softwares, essa metodologia também funciona para outros projetos. Contudo, é essencial que exista algo concreto sendo desenvolvido para que ela seja melhor aproveitada. 

Se quer começar a aplicar essa metodologia, o melhor caminho é começar estudando para entender suas etapas. O livro “SCRUM: como fazer o dobro na metade do tempo” é um excelente ponto de partida. 

Kanban 

Outra metodologia importante é o Kanban. Esse é um termo mais conhecido e, mesmo que não tenha ouvido falar dele, provavelmente irá reconhecer o seu funcionamento. A palavra kaban tem origem japonesa e significa sinalização ou cartão. 

A sua aplicação é feita da seguinte forma: você cria colunas que vão indicar o status de determinado projeto. As mais comuns são “a fazer”, para tarefas mapeadas mas que não começaram a ser realizadas, “fazendo” para aquilo que já teve início e está em andamento, e “feito”, para as tarefas concluídas. 

Você deverá então usar um cartão para cada projeto, e posicioná-lo na coluna que representa a sua situação atual. Portanto, um projeto de desenvolvimento de um site que está sendo executado, deverá ser posicionado na coluna “fazendo”. As equipes podem também adicionar outras etapas de desenvolvimento, como “em revisão” ou “aguardando retorno”. Tudo depende da estratégia adotada para aquele projeto. 

Essa organização te lembrou alguma coisa? Talvez seja a ferramenta Trello, que foi construída justamente a partir dessa ideia. Lá, é possível fazer tudo isso em formato digital, com uma série de funcionalidades possíveis dentro dos cartões de projeto. A plataforma é bem intuitiva, com explicações claras sobre cada funcionalidade e, por isso, pode ser um jeito fácil de começar a implementar essa metodologia ágil.  

Para quem trabalha com cursos online, por exemplo, é possível organizar da seguinte forma: 

  • a fazer: os vídeos mapeados, que ainda serão gravados;  
  • roteiro: os temas que estão com o roteiro em desenvolvimento; 
  • para gravação: o que será gravado em breve e já está com o roteiro pronto; 
  • gravado: o que já foi gravado: 
  • em edição: o que já foi gravado e está em processo de edição: 
  • pronto: os vídeos finalizados. 

Lean

Lean quer dizer “enxuto” e, dentro das metodologias ágeis, é exatamente esse o seu objetivo. Trata-se de utilizar apenas o que é estritamente necessário para a realização de um trabalho, evitando desperdícios de qualquer tipo – tempo, dinheiro, mão de obra, etc. 

Essa metodologia tem uma relação mais próxima com o desenvolvimento dos conceitos de startup, e é indicado para projetos mais objetivos, com um caminho certo a ser seguido. A ideia é encontrar onde há desperdício e reduzi-los, mantendo o foco em atividades que realmente tragam valor para a empresa. 

Esse conceito surgiu ainda nos anos 1970, com uma mudança na mentalidade na gestão dos processos da empresa Toyota. O objetivo principal é entregar a melhor qualidade, com o menor custo e em menor tempo. 

Para começar a usar essa metodologia, os estudos também são o caminho mais indicado. O livro “A startup enxuta” (em inglês, Lean Startup), pode ajudar muito nesse início. 

SMART 

Sabemos que o desenvolvimento de metas é muito importante para manter a dedicação e o envolvimento dos colaboradores. Contudo, entender o que é de fato uma meta e o que é apenas um indicador ou até mesmo uma tarefa pode causar muita confusão. 

Como consequência, é possível que as pessoas não vejam o seu trabalho refletido naquele objetivo e se sintam desmotivadas a continuar trabalhando por ele. Por isso, a determinação de metas deve seguir uma metodologia. 

A metodologia SMART é uma forma muito prática e objetiva de fazer essa determinação. Ela funciona como um checklist de pontos importantes que uma meta deve seguir para ser, de fato, uma meta. Eles são:  

  • S, de specific: específica: a meta deve ser específica, pois assim os envolvidos terão maior clareza sobre o seu significado. 
  • M, de measurable: mensurável: uma meta precisa ser medida em dados, ou seja, resultados numéricos. Dessa forma, se torna muito mais objetivo saber se ela foi atingida ou não.  
  • A, de attainable – atingível: o valor não pode ser absurdo ou quase impossível. Ele deve ser algo real e possível, criado a partir de evidências. Isto é, uma meta que prevê um crescimento de 20% ao ano deve ser definida a partir da análise dos resultados anteriores que atestam que isso é possível. 
  • R, de relevant – relevante: a meta precisa ser relevante para quem ela se destina. Não adianta definir metas muito específicas de sucesso do cliente para o time financeiro, por exemplo. 
  • T de time related – temporal: uma meta precisa ter prazo para ser real e factível.

George. T. Doran foi o Diretor de Planejamento da Washington Water Power Company e, em 1981 publicou o artigo “There’s a S.M.A.R.T. way to write management’s goals and objectives”, onde lista os princípios da metodologia SMART. Para entendê-la melhor, começar por este artigo é uma boa ideia. 

Além disso, há também o livro “Avalie o que importa: Como o Google, Bono Vox e a Fundação Gates sacudiram o mundo com os OKRs” de John Doerr, investidor e capitalista de risco. Nele, é possível ver quais são os objetivos trabalhados por grandes empresas.  

Dicas para realizar projetos com metodologias ágeis 

Você viu que, para cada tipo de metodologia, explicamos também por onde começar para conseguir aplicá-las no seu projeto. Contudo, existem outras questões para se levar em consideração antes de decidir de fato qual será a metodologia ágil utilizada pela sua equipe. 

Por isso, além das indicações que já apresentamos, separamos também outras dicas para realizar projetos com metodologias ágeis, confira: 

Faça um estudo do seu negócio 

Comece mapeando como os processos são desenvolvidos no seu negócio hoje. Veja o que faz sentido, pontos fortes e fracos, o que pode ser melhorado. Esse mapeamento é importante para ter um ponto de partida na decisão de qual metodologia ágil poderá ser aplicada. 

Alinhe seus fluxos de comunicação 

Como estão os fluxos de comunicação do seu negócio? Essa é uma parte importante para o desenvolvimento de metodologias ágeis e, antes de serem implementadas, pode ser interessante investir em formas melhores de garantir a comunicação entre colaboradores, líderes e diferentes equipes. 

Saiba mais sobre fluxos de comunicação empresarial: Fluxos de comunicação empresarial: quais são e a importância de conhecê-los

Verifique o nível técnico dos colaboradores

Antes de implementar novas tecnologias e metodologias, verifique como está o nível técnico dos colaboradores. Para isso, é importante desenvolver um estudo sobre os colaboradores para entender o que é possível de ser aplicado. 

Uma forma interessante de fazer isso é por meio de um Levantamento de Necessidades de Treinamento. Saiba mais no nosso artigo: 

LNT: como fazer um bom levantamento das necessidades de treinamento 

Escrito por Amanda Potenza